terça-feira, 7 de julho de 2015

Unidade móvel do SEBRAE presta atendimento em Ronda Alta

Postado por: Everlaine Ecker

Com o objetivo de esclarecer dúvidas sobre abertura de empresas, gestão de negócios e assuntos de interesse de pequenos empreendedores, uma unidade móvel do SEBRAE, presta atendimento durante a terça-feira, 07 de julho, na praça Mose Míssio em Ronda Alta.
Várias pessoas aproveitam a ocasião para buscar novas ideias de como fortalecer seu negócio, visando o crescimento do mesmo. O atendimento é gratuito.

5 dicas para o dono de um pequeno negócio enfrentar a crise econômica

Postado por Valério Bernardi
Por Afonso Ferreira
Do UOL

A economia brasileira encolheu 0,2% no primeiro trimestre e a inflação em altaacenderam o sinal de alerta em muitas empresas. De acordo com Artur Lopes, 50, especialista em gestão de crise e autor dos livros "Negócio Sem Crise" e "Quem Matar na Hora da Crise" (editora Évora), em momentos como este, muitos negócios precisam enxugar custos e reduzir estoques entre outras medidas para sobreviver à instabilidade do mercado.

O autor afirma que as micro e pequenas empresas sofrem mais do que as grandes em períodos de estagnação econômica por não terem capital para investir em novas áreas ou produtos. No entanto, os pequenos negócios são mais ágeis para se adequar ao novo cenário e implantar mudanças.

Porém, tomar uma atitude diante da crise é a maior dificuldade de muitos empresários, segundo Lopes. "É como ficar doente, a empresa tem mais chances de 'cura' se a crise for descoberta no início e tratada corretamente", afirma. "Caso contrário, ela pode morrer."

O especialista listou cinco dicas para ajudar empresários a encarar a crise. Veja abaixo.
1. Enxugue custos




Ao notar queda nas vendas e na lucratividade, o primeiro passo deve ser enxugar custos do negócio, segundo Lopes. Analise despesas e descubra gastos desnecessários ou que podem ser reduzidos, como contas de água, luz, telefone.
2. Reduza o estoque





Se antes a empresa vendia 100 mil itens e agora vende 60 mil, ela precisa se adaptar à nova realidade, reduzindo a produção ou a quantidade comprada do fornecedor.
3. Elimine produtos com pouca saída




Analise os produtos menos vendidos ou que dão pouco retorno. A lucratividade pode aumentar se esses itens forem eliminados. Não precisa vender tal coisa só porque o concorrente tem.
4. Renegocie dívidas





Quando a empresa já está em dificuldade financeira, umas das medidas é a renegociação das dívidas com bancos e fornecedores. O empreendedor pode conseguir condições favoráveis para pagar suas obrigações dependendo do relacionamento que mantém com seus parceiros.
5. Tenha controle sobre o negócio




Segundo Lopes, ter controle financeiro e operacional sobre o negócio ajuda a empresa a identificar problemas e a tomar decisões antes que a crise agrave a situação. Crie metas, relatórios de desempenho, como tabelas e gráficos, e acompanhe com atenção esses indicadores.

segunda-feira, 6 de julho de 2015

Medida provisória autoriza empresas a reduzir salário e jornada de trabalho

Paulo Victor Chagas - Repórter da Agência Brasil 
Postado por Valério Bernardi

Presidenta Dilma Rousseff, assina Medida Provisória do Programa de Proteção ao Emprego, durante reunião no Palácio do Planalto (Wilson Dias/Agência Brasil)Presidenta Dilma Rousseff assina Medida Provisória que cria Programa de Proteção ao Emprego, durante solenidade no Palácio do Planalto Wilson Dias/Agência Brasil

Com o objetivo de evitar demissões dos trabalhadores por empresas em dificuldades financeiras, o governo federal criou, por meio de medida provisória (MP), o Programa de Proteção ao Emprego (PPE), que vai permitir a redução temporária da jornada de trabalho e de salário em até 30%.

A MP foi assinada na tarde de hoje (6) pela presidenta Dilma Rousseff, após encontro com ministros e representantes de centrais sindicais. Embora passe a valer imediatamente com força de lei, a proposta será analisada e precisa ser aprovada pelo Congresso Nacional.

A medida prevê que a União complemente metade da perda salarial por meio do Fundo de Amparo ao Trabalhador. O Programa valerá até o dia 31 de dezembro de 2016, e o período de adesão das empresas vai até o fim deste ano. Para definir quais setores e empresas estarão aptos a participar do PPE, o governo também criou um grupo interministerial que vai divulgar informações sobre os critérios, com base em indicadores econômicos e financeiros.

De acordo com o ministro-chefe da Secretaria-Geral da Presidência, Miguel Rossetto, as empresas não poderão demitir nenhum funcionário durante o prazo de vigência do programa, proibição que será mantida por pelo menos mais dois meses após o fim da vigência.

As empresas poderão aderir ao programa por seis meses, prorrogáveis por mais seis. O anúncio foi feito no início da noite por Rossetto e outros dois ministros, ao lado de representantes de centrais sindicais, no Palácio do Planalto.

"É mais importante usar recursos públicos para manter o emprego do que para custear o desemprego. É um programa ganha-ganha, orientado claramente para manutenção do emprego em um período de crise", afirmou Rossetto, acrescentando que o programa é aberto para qualquer setor da economia que tenha redução de emprego e renda.

Novas regras para cesarianas valem a partir desta segunda-feira no País

Foto: Internet
Fonte Rádio Gaúcha
Postado por Everlaine Ecker

Entrou em vigor nesta segunda-feira (6) a resolução da Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) que estabelece normas para tentar conter a realização de cesáreas desnecessárias. Entre as medidas, está o maior acesso a informações por parte das pacientes e aumento do controle sobre a atuação dos médicos.
A partir de agora, consumidoras de planos de saúde poderão solicitar às operadoras os percentuais de cesarianas e de partos normais por estabelecimento de saúde, por médico e por operadora.
Outra mudança é a obrigatoriedade de um cartão da gestante em que o médico deve registrar o desenvolvimento de todo o pré-natal e detalhar as condições maternas e fetais. O objetivo do cartão, segundo a Agência, é permitir ao médico responsável pelo parto acesso a todas as informações sobre a gestação.

domingo, 5 de julho de 2015

Cerveja de pinhão gera lucro para pequenos agricultores

Alana Gandra - Repórter da Agência Brasil
Postado por Valério Bernardi

Araucárias no Paraná (Denis Ferreira Netto/SEMA)

A floresta de araucárias faz parte de um conjunto de plantas e de animais da 
Mata Atlântica, ameaçado de extinçãoDenis Ferreira Netto/SEMA

Com o objetivo de gerar recursos financeiros para pequenos produtores rurais e, ao mesmo tempo, proteger a floresta de araucárias do Sul brasileiro, uma fundação privada de conservação da natureza criou, em parceria com a Fundação Centros de Referência em Tecnologias Inovadoras (Certi), o projeto Araucária+, cujo primeiro produto, a cerveja de pinhão sustentável, chegou neste inverno aos principais mercados consumidores do país. A floresta de araucárias faz parte de um conjunto de plantas e animais da Mata Atlântica, ameaçado de extinção. A floresta apresenta hoje entre 1% e 3% de sua cobertura original.

Coordenadora do Araucária+, Anke Manuela Salzmann destacou, em entrevista à Agência Brasil, que o objetivo prioritário é promover a conservação da floresta de araucárias. “O projeto visa a realizar essa conservação a partir do desenvolvimento sustentável de cadeias produtivas do pinhão, que é a semente da araucária, e da erva-mate, por exemplo.”

O trabalho de conscientização e busca de produtores que queiram se engajar ao projeto é feito em campo pelos pesquisadores do Araucária+. A partir do momento em que os pequenos agricultores se integram, eles têm que seguir uma série de regras definidas dentro do padrão sustentável do projeto, para que a produção do pinhão e da erva-mate ocorra de forma sustentável. “A equipe do Araucária+ conecta esses produtores com empresas que geram produtos inovadores e estão interessadas também na questão de sustentabilidade”, disse Salzmann.

Com essa meta, uma cervejaria do município de Palmas, no interior do Paraná, adquiriu 800 quilos de pinhão oriundo do planalto serrano de Santa Catarina para produzir cerveja de pinhão. Para 2015, foram envasadas 45 mil garrafas, que têm como destino inicial os mercados de São Paulo, do Rio de Janeiro, do Paraná, de Santa Catarina e do Rio Grande do Sul. Posteriormente, a ideia é levar a distribuição do produto a todo o país.

A bebida é produzida sazonalmente, apenas quando a extração do pinhão é autorizada, o que ocorre durante a época de safra, que começa, geralmente, no mês de abril e vai até agosto, variando de estado para estado. Anke Salzmann disse que o fabricante da cerveja quer produzir a bebida durante todo o ano.

Além de proteger a biodiversidade, o projeto pretendo elevar o lucro dos produtores. No caso da cervejaria do Paraná, a empresa pagou um sobrepreço pelo pinhão, porque ele tem origem sustentável. Como os agricultores têm regras a cumprir, entre as quais manter 20% das pinhas nas araucárias, cercar áreas, retirar o gado dessas áreas – já que o gado dificulta a regeneração natural da floresta – eles têm que ser recompensados, comentou Anke.

“Quando a empresa compra um produto do projeto, ela já está ciente que vai pagar um pouco mais caro, por adquirir um produto de origem sustentável, ambientalmente correto”, disse. Com isso, a empresa ganha um diferencial para o seu produto final. O preço médio por quilo de pinhão da safra de 2015 variou entre R$ 2,50 e R$ 3, mas os integrantes do Araucária+ receberam R$ 4 por quilo.

Parte do valor pago pela cervejaria vai para um fundo que recompensa produtores do Aracuária+. Há florestas de araucárias intactas em suas propriedades, voltadas somente para a conservação. Atualmente, 12 pequenos produtores estão formalmente integrados ao projeto. Cinquenta estão em processo de formalização, informou o pesquisador do Centro de Economia Verde do Certi, André Noronha.

Segundo ele, a meta é chegar ao final deste ano com 30 produtores associados e expandir o projeto para novos produtos e outras regiões que vão envolver alimentos da área piloto de atuação. “Tem crescido bastante o interesse na região e mais produtores têm vindo procurar o projeto e se adequar a esses critérios mais sustentáveis de produção”. Ele acrescentou que, à medida que o projeto for ganhando força, deverá se expandir geograficamente para outras áreas de ocorrência de floresta de araucárias, como o Rio Grande do Sul, o Paraná e o interior de São Paulo.

A Fundação Certi acredita que esse modelo inovador de desenvolvimento regional sustentável pode vir a ser aplicado a outros biomas brasileiros.

sábado, 4 de julho de 2015

Governo estabelece preços mínimos da safra de inverno 2015/2016

Fonte: ESTADÃO/Postado por Valério Bernardi
agricultura_trigo_ (Foto: Acervo/Ed. Globo)
Veja os valores dos trigos tipos 1 e 2 na região Sul
O Ministério da Agricultura divulgou nesta sexta-feira (3/7) os preços mínimos para os cereais de inverno e sementes, válidos para a safra de 2015/2016. Os valores foram publicados no Diário Oficial da União, por meio da Portaria número 131, assinada pela ministra da Agricultura interina, Maria Emilia Jaber.

Conforme a portaria, para a Região Sul, o preço mínimo do trigo tipo 1, pH 78, pão, subiu 4,57%, de R$ 33,45 a saca de 60 kg na safra 2014/2015, para R$ 34,98 a saca na safra 2015/2016. O trigo tipo 1, pH 78, melhorador, também foi reajustado em 4,57%, de R$ 35,03 para R$ 36,63 a saca.

Já o preço mínimo do trigo tipo 2, pH 75, pão, para a Região Sul, subiu 4,53%, de R$ 28,67 para R$ 29,97 a saca. O trigo tipo 2, pH 75, melhorador, teve reajuste de 4,63%, de R$ 30,02 para R$ 31,41 a saca.

Segundo a portaria, os valores foram fixados pelo Conselho Monetário Nacional (CMN), por meio de voto em 23 de abril passado.

sexta-feira, 3 de julho de 2015

RGE REALIZA REPAROS EM REDE DE ENERGIA NA ÁREA URBANA EM RONDA ALTA

Postagem: Rogério dos Reis
A RGE está realizando em nossa cidade, reparos em sua rede de energia, os trabalhos estão acontecendo no acesso Sul da cidade saída para Passo Fundo, os velhos postes de madeira estão sendo trocados por novos de concreto. Aos motoristas que trafegam neste local todo cuidado é pouco, hoje em parte do trecho o transito era de meia pista.