sábado, 28 de fevereiro de 2015

Clima fica mais firme no Sul, Sudeste e Centro-Oeste



dia amanhe assim em Ronda alta

Umidade volta a se espalhar pelas regiões Norte e Nordeste

28 de Fevereiro de 2015 às 06:35Somar Meteorologia

Região Sul

O tempo fica firme neste sábado, na maior parte do Rio Grande do Sul, com o avanço de uma massa de ar mais seco, e também sobre o noroeste e oeste do Paraná. Nas demais áreas do Sul, ainda há previsão de chuva em forma de pancadas a partir da tarde.

A chuva aparece em Curitiba e em Florianópolis ao longo do dia, intercalada com períodos de melhoria. Temperaturas mais amenas no leste da região, mas ainda com sensação de abafamento.

No domingo, o tempo volta a ficar mais instável no oeste gaúcho e região das Missões a partir da tarde, quando há previsão para pancadas de chuva. Conforme o dia passa, as instabilidades avançam para outras áreas do Rio Grande do Sul, Santa Catarina e sul do Paraná.

No leste paranaense, o dia fica mais fechado e com chuva a qualquer hora. Há previsão de chuva mais forte com acumulados mais altos na fronteira oeste do Rio Grande do Sul com a Argentina. No norte do Paraná, o tempo fica mais firme. Pela manhã, temperaturas agradáveis. Já à tarde, volta a fazer bastante calor em todas as áreas do Sul.


Na segunda, as chuvas ganham força entre a costa da Região Sul e o oceano, e são esperadas chuvas mais significativas para a faixa leste dos três Estados, algo que aumenta o potencial para transtornos em áreas de risco. Somente no norte do Paraná e parte do oeste gaúcho é que a chance para chuva é menor. O calor ganha ainda mais força na região no período da tarde.
Ronda Alta-RS
Condições Atuais
IUV com Nuvem28/02/2015 07h00
Sábado - 28.02.2015
Dados de Modelo
Domingo - 01.03.2015
Dados de Modelo
Segunda-feira - 02.03.2015
Dados de Modelo
Terça-feira - 03.03.2015
Dados de Modelo
Quarta-feira - 04.03.2015
Dados de Modelo
Quinta-feira - 05.03.2015
Dados de Modelo
Obs: As horas apresentadas não são corrigidas para o horário de verão.Fonte:INPE/CPTEC

sexta-feira, 27 de fevereiro de 2015

Acidente com ônibus de estudantes deixa 18 feridos em Erechim

No início desta manhã, um acidente envolveu um ônibus de estudantes e um caminhão, na ERS 135, no trevo de acesso a Universidade Fronteira Sul, em Erechim. No ônibus havia 40 passageiros, conforme informações preliminares, 18 ficaram feridos, sendo quatro em estado de saúde mais grave, com risco de sofrer amputações. Socorristas de Erechim e da região trabalham no local. Os feridos estão sendo encaminhados para o Hospital Santa Terezinha, em Erechim.
O acidente ocorreu quando o coletivo fazia o trevo para acessar a universidade e um caminhão acabou batendo na traseira do veículo. Com o impacto o, o ônibus tombou.





Fotos e informações: Jornal Diário da Manhã
Postado por: Graciela Lavarda

quinta-feira, 26 de fevereiro de 2015

Entidades ligadas aos produtores rurais discutem posição para defender agricultores


Acontece em Sarandi, uma reunião envolvendo diversas entidades ligadas aos agricultores onde discutem a problemática gerada pela mobilização dos caminhoneiros:
Segundo nos informou o Sr Sérgio Cé, alguns pontos foram definidos:
1º - apoiar o movimento dos caminhoneiros, considerado justo;
2º - levar aos manifestantes as preocupações dos agricultores em relação ao escoamento do leite, aves e suínos e a liberação do transporte dos alimentos para os animais que estão nas propriedades.
Esta decisão deverá ser levada aos manifestantes ainda nesta tarde.


Postagem: Valério Bernardi

Caminhoneiros são liberados para se deslocarem até outro ponto

A última informação repassada pela Graci, às 10 horas e 30 min, que está junto dos manifestantes, é de que um caminhão com carga perigosa foi liberado e que os caminhoneiros vindos de Sarandi ou de Nonoai ou Chapecó poderão se deslocarem até estes locais.
Postagem: Valério Bernardi

Informações de Graciela Pereira





Clima tenso entre manifestantes em Ronda Alta

A reporter Graciela Pereira encontra-se junto ao trevo de acesso a Ronda Alta, (10 horas/26/15) onde acontece a mobilização dos caminhoneiros, onde foi procurada por um grupo de motoristas que dizem não ter mais condições de permanecer no local.
Entramos em contato com o comandante Tenente Alceu do Comando Rodoviário de Palmeira das Missões, que imediatamente deslocou uma equipe policial para o local, para negociar com os manifestantes, uma possível saída dos reclamantes.
Segundo o que dizem os caminhoneiros que querem sair do local, não são contra a mobilização, mas querem ir até um local onde haja condições e permanecerem.

E, segundo os policiais que estão no local, já solicitaram reforço policial para permitir a saída destes motoristas do local.

Postado por Valério Bernardi
Com informações de Graciela `Pereira.

quarta-feira, 25 de fevereiro de 2015

O que o governo propõe aos caminhoneiros

do G1 por Cristiana Lôbo

Para encerrar o protesto dos caminhoneiros, o governo se compromete a sancionar sem veto a Lei dos Caminhoneiros, aprovada pela Câmara no último dia 11 e que estabelece regras para o exercício da profissão de motorista. O projeto aprovado assegura isenção de pedágio para quem estiver com o caminhão vazio. Assim, os veículos vazios não pagarão pedágio pelos eixos que estiverem suspensos.

Além disso, o governo admite a prorrogação dos empréstimos do Programa Pró-Caminhoneiro por um ano. Em 2013 e 2014, o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) emprestou R$1 bilhão.


O governo não atendeu ao pedido de reduzir preço do diesel nem de interferir na negociação do preco do frete. Nesta quarta, na Bahia, a presidente Dilma Rousseff afirmou que não há condições de reduzir o preço do diesel, a exemplo do que já havia antecipado o ministro Miguel Rossetto no dia anterior.

Reunião entre caminhoneiros e governo termina sem acordo, diz senador

Do UOL, em São Paulo 25/02/201518h34 > Atualizada 25/02/201518h36
Postado por Valerio Bernardi

 
Não houve acordo em reunião entre transportadores e representantes de caminhoneiros, disse a jornalistas o senador Blairo Maggi (PR-MT), ao sair do encontro em Brasília.

O Ministério dos Transportes e a Secretaria-geral da Presidência da República confirmaram, por telefone, o fim da reunião mediada por representantes do governo.

Porém, um representante dos caminhoneiros disse que houve apenas "uma pausa" na reunião, e que as reivindicações foram levados pelos ministros ao Palácio do Planalto. A informação é do presidente da CNTTL/CUT (Confederação Nacional dos Trabalhadores em Transporte e Logística da CUT), Paulo João Eustasia.

O ministro-chefe da Secretaria-Geral da Presidência, Miguel Rossetto, deve anunciar ainda nesta quarta-feira medidas propostas pelo governo ao setor, segundo o assessoria de imprensa.

Participaram do encontro de hoje os ministros Miguel Rossetto, da Secretaria-Geral da Presidência da República, Antonio Carlos Rodrigues, dos Transportes, e Kátia Abreu, da Agricultura. Eles levaram as reivindicações dos caminhoneiros para o Palácio do Planalto.

Os protestos entraram no oitavo dia e, nesta tarde, dez Estados brasileiros registravam dezenas de bloqueios em estradas. Além de afetar o trânsito nas rodovias, a manifestação tem prejudicado o transporte de cargas como combustíveis, alimentos e outros produtos do agronegócio para consumo no país e para exportação.

Reivindicações
Os caminhoneiros pedem a redução do preço do combustível e do pedágio, tabelamento dos fretes e que a presidente Dilma Rousseff sancione mudanças na lei permitindo mais horas de trabalho por dia para aumentar os ganhos.
O representante do Comando Nacional do Transporte, Ivan Luiz Schimidt, defende a redução imediata do preço do óleo diesel em R$ 0,50 até que seja definido um valor de frete mínimo para os caminhoneiros. O valor defendido pelo grupo, que se diz responsável pelas manifestações nas estradas federais, é R$ 0,70 por eixo de caminhão a cada quilômetro rodado.

Na véspera, Rossetto descartou qualquer redução no preço do diesel. A presidente Dilma Rousseff afirmou novamente hoje que não é possível reduzir o preço do diesel.


O aumento de R$ 0,15 por litro do diesel e de R$ 0,22 por litro da gasolina, fixado no início do ano, foi repassado ao consumidor em 1º de fevereiro.